Em 29 de Novembro, a Presidência da AOPM e integrantes da Diretoria Executiva irão participar da reunião do Colégio de Líderes

24 de novembro de 2016
A Presidência da AOPM e os integrantes da sua Diretoria Executiva foram convidados pelo Presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, Deputado Estadual Fernando Capez, a participar da reunião do Colégio de Líderes, em 29 de novembro, às 15h, onde serão feitas as necessárias exposições para que a PEC 003/2014, que trata da Carreira Jurídica dos Oficiais da Polícia Militar, seja pautada para votação.  

Vice de conselho de direitos humanos é preso sob suspeita de elo com facção

22 de novembro de 2016
Ao menos 35 pessoas foram detidas na manhã desta terça-feira (22) durante uma operação da Polícia Civil e do Ministério Público de São Paulo. Elas são suspeitas de terem ligação com a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Pelo menos 30 dos presos são advogados, que atendiam a 14 lideranças da facção, dizem os investigadores. Entre os presos está o vice-presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe), Luiz Carlos dos Santos, em Cotia (Grande SP). Segundo a investigação, Santos fazia “falsas denúncias” perante organismos de proteção dos direitos humanos com o objetivo de “desestabilizar a segurança pública do Estado”. Ele teria recebido do PCC cerca de R$ 130 mil com essa finalidade. A operação, batizada de Ethos, teve como objetivo desarticular a célula criminosa do PCC, denominada de “R”, composta por 40 advogados, sob controle de presos vinculados à organização. A polícia cumpre 41 mandados de prisão, sendo 40 contra advogados, além de 65 de buscas e apreensão. O ex-presidente do Condepe Rildo Maques de Oliveira disse que não teve detalhes do inquérito, mas defende uma punição exemplar caso as acusações contra Santos sejam comprovadas –até porque há um desgaste para todas as entidades ligadas aos direitos humanos. “Se tiver procedência, de algum envolvimento dele, que seja com o crime organizado ou situação parecida, é muito grave para o próprio conselho. Tudo isso cria descredibilidade com os poderes públicos e também das pessoas que confiam no conselho”. Ele ressalta, porém, que Santos tem um histórico de combate à violência policial na Grande SP, incluindo contra grupos de extermínio. Diz ainda que faz anos que autoridades paulistas fazem falsas acusações contra membros do Condepe, de ligação com o crime por conta do trabalho de defesa dos direitos dos presos. O vice-presidente da ONG Conectas Direitos Humanos, Marcos Fuchs, disse considerar a prisão de Santos uma “ameaça” ao setor. “Não é saudável para a nossa causa. Não é saudável para quem defende direitos humanos, para todas as entidades e para todas as organizações”, afirmou. “O Condepe é um órgão seríssimo, que tem esse papel, esse condão na defesa de direitos humanos, de receber denúncias, de apurar denúncias, de fazer inspeções e fazer visitas no sistema prisional como uma das suas prerrogativas”, disse Fuchs. “Precisamos ter muita cautela”, ressalvou. INVESTIGAÇÃO A investigação teve inicio há um ano e meio e identificou 55 pessoas, das quais 41 estavam em liberdade e contribuíam para a prática criminosa vinculada à organização. Os demais investigados são presos que estão no sistema penitenciário paulista –considerados líderes da facção. A investigação também teve o apoio do Ministério Público. Em nota, a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) afirma que “tão logo tomou conhecimento das diligências, nas primeiras horas do dia, determinou o acompanhamento por meio de sua Comissão de Direitos e Prerrogativas Profissionais, para assegurar o respeito aos direitos dos profissionais”. Afirma também que, na medida em que tiver ciência das acusações aos advogados, assegurado o direito de defesa, promoverá as apurações necessárias.

NÓS JÁ SABÍAMOS… DIREITOS HUMANOS OU DIREITO DOS MANOS?

22 de novembro de 2016
Uma Operação Policial deflagrada no início da manhã de hoje (22/11/16) revelou para a população aquilo que todos nós policiais já sabíamos: o envolvimento de supostos “defensores dos direitos humanos” com o crime organizado. Após investigações que tiveram início com a apreensão de uma carta num presídio de Presidente Prudente, que falava sobre a “sintonia dos gravatas” – gíria utilizada pelos líderes do PCC para se referirem aos advogados da organização criminosa – a Justiça, a pedido do Ministério Público, expediu 42 mandados de prisões. Dentre os presos está o Vice-Presidente do Conselho Estadual dos Direitos Humanos do Estado de São Paulo, Luiz Carlos dos Santos, o que, pelo menos para nós policiais, não é nenhuma surpresa. Infelizmente, pessoas como o Sr. Luiz Carlos dos Santos desvirtuam a idéia de direitos humanos e fazem com que as pessoas de bem passem a ter verdadeira repulsa aos “direitos humanos”, pois os associam à proteção dos criminosos que agridem e violentam os seus mais lídimos direitos. Para que se tenha a exata noção do comportamento vil e repugnante desses que falsamente se intitulam “defensores dos direitos humanos”, as investigações revelaram que o Sr. Luiz Carlos e seus asseclas elaboravam listas de agentes penitenciários marcados para morrer, disponibilizando aos líderes do PCC seus endereços e nomes de familiares. Chegou a hora – na verdade, já passou da hora – de se fazer uma verdadeira faxina nessas “ONGs de Direitos Humanos”. Não estou dizendo que todas as ONGs de Direitos Humanos sirvam de fantoches para a proteção de criminosos. Há entidades sérias e que realizam um importante trabalho em prol da defesa e promoção dos direitos humanos. Entretanto, não se pode fechar os olhos e negar que boa parte destas ONGs foram criadas e funcionam com o fim específico de proteger bandidos em prejuízo dos direitos dos cidadãos de bem. E o pior de tudo é que essas ONGs ainda recebem o apoio financeiro do Estado e são exaltadas pela mídia para denigrirem a imagem dos policiais e exaltarem os bandidos como “vítimas da sociedade”. Não! As verdadeiras vítimas são os cidadãos de bem que já não podem mais saírem de suas casas e exercerem seus direitos. As verdadeiras vítimas são os policiais que todos os dias derramam o seu sangue para protegerem os cidadãos de bem. E o caso do Sr. Luiz Carlos dos Santos se revela ainda mais grave, pois é Vice-Presidente do Conselho Estadual dos Direitos Humanos e, aproveitando-se da visibilidade e do acesso privilegiado às informações que o seu cargo lhe propicia, o falso “defensor dos direitos humanos” aliou-se ao crime organizado para tirar a vida de pais e mães de família que trabalham para defender a sociedade, devendo ser responsabilizado por cada uma dessas mortes. O seu lugar é na cadeia! Mas não é só! Não se pode esquecer daqueles que deram ouvidos e visibilidade a esse criminoso e a todos os outros que, com o falso discurso dos “direitos humanos”, são responsáveis pelas mortes de policiais, agentes penitenciários

Em São Paulo, advogados e ativistas de direitos humanos são presos por serem “suspeitos” de fazer lista de agentes e policiais para serem executados pelo PCC

22 de novembro de 2016
Não é segredo que a Polícia Militar de São Paulo é sistematicamente atacada pelas organizações de direitos humanos daquele Estado, buscando reduzir a intensidade e efetividade de suas ações pela criminalização sistemática dos policiais… Advogados dos “Direitos Humanos” sempre se apresentam rapidamente para atacar de forma midiática e sistemática a corporação e suas ações…Agora, as coisas começam a ficar mais claras… A Polícia Civil e o Ministério Público de São Paulo realizam uma operação para prender 42 pessoas que seriam ligadas a uma facção criminosa que atua dentro e fora dos presídios paulistas. As informações são do Bom Dia Brasil. Entre os presos está o vice-presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos (Condepe), Luiz Carlos dos Santos. Ele e os outros advogados são suspeitos de movimentar dinheiro do crime organizado em suas contas bancárias e ainda de ajudar a criar uma espécie de banco de dados com os nomes e endereços de agentes penitenciários e de seus parentes para serem mortos quando a facção julgar necessário. Minha solidariedade à Polícia Militar de São Paulo… Que tem que “engolir” essas pessoas há anos sem conseguir ser ouvida…. Papa é Mike Acesse o link completo da matéria: Acesse aqui  Fonte: G1

Sem eventos