Especialistas falam em briga corporativista

Publicado por Camila Goulart 3 anos atrásNenhum comentário

Confira a matéria completa com o nosso vice-presidente Institucional da AOPM, Cel PM Glauco Silva de Carvalho.

Glauco Carvalho, coronel da reserva e vice-presidente institucional da AOPM (Associação dos Oficiais da Polícia Militar) disse que a apuração de crimes no país é retrógrada e antiquada, tanto no inquérito militar quanto no comum. ”Já passaram da hora de serem alterados. A necessidade de se atualizar e modernizar instrumentos e apuração e investigação ainda existe no Brasil”, disse. Para Glauco, ”a portaria em análise traduz um mandamento constitucional”.

Já o diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio de Lima explicou que ”existe uma grande disputa legal e os dois lados (Civil e Militar) mobilizam argumentos a favor e contra. O Congresso deveria pacificar esta questão e definir”, pontuou Renato.

”É uma enorme batalha corporativista e que não ajuda em nada a população, pois a violência continua crescendo, e o crime organizado segue fazendo grandes operações”, disse o especialista.

Para Raquel Kobashi Gallinati, presidente do Sindpesp (Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de SP), a portaria não interfere no trabalho da polícia. ”Não existe valor jurídico nesta portaria. A Polícia Civil continuará fazendo seu trabalho, seguindo a Constituição e a lei. Os inquéritos policiais são presididos pelos delegados” disse.

 

WhatsApp Image 2017-09-06 at 15.38.15

Categoria:
  Jurídico
esta notícia foi compartilhada 0 vezes
 000

Escreva um comentário

Your email address will not be published.